Da escuridão de milénios à Luz de

Da escuridão de milénios à Luz

ISBN: 9789898683939

Autor: Padre Mário de Oliveira

Preço: 11,00 €

Em Stock - entrega em 24h

Preços incluem o Iva à taxa em vigor

 

Sobre o livro: O original é de 2006. Adormecido no disco rígido, só acorda no início de 2018 e pede-me insistentemente que o dê à luz. É o que, agora, faço, não sem antes ter procedido a uma demorada e fecunda revisão. O visual com que se apresenta é poético. Por mim, canto e danço seres-viveres humanos-poema. O mesmo já não posso dizer daqueles muitos livros de poemas que têm o triste condão de nos dizerem muito pouco. São estéreis labirintos de palavras, quando deveriam rasgar fecundas avenidas de liberdade e de autonomia. Se não contribuem para transformar o mundo de racional em cordial, de poder em política praticada e de humano em sororal, para que se publicam?!

 

Sobre o autor: 49º livro do autor. É Presbítero da Igreja do Porto, desde 5 de Agosto de 1962. No dia 21 de Março de 1973, é preso segunda vez pela Pide, em Caxias e, nesse mesmo dia, o Bispo da Diocese, D. António Ferreira Gomes, retira-lhe o ofício canónico de pároco de Macieira da Lixa, para o qual havia sido nomeado em Setembro de 1969. Pároco e preso político, era uma situação institucionalmente anómala e incómoda que colidia com a manutenção da Concordata entre o Estado Português de Salazar e o Estado do Vaticano. Obrigado a ter de escolher entre sacrificar o Pároco ou a Concordata, o Bispo escolhe sacrificar o Pároco. Perante esta pura arbitrariedade do Poder clerical-episcopal, reage como um menino e faz-se jornalista profissional, no vespertino República (carteira n.º 492), também para, desse modo, poder ser Presbítero de graça (“dai de graça o que de graça recebestes”, diz Jesus). Neste seu novo estatuto, chega a ser, durante 10 anos, redactor principal e por fim chefe de redaccão no Correio do Minho, em Braga, de onde sai para fundar e dirigir, a partir da sede da Associação Padre Maximino, em S. Pedro da Cova, Gondomar, o Jornal Fraternizar