Padre Mário de Oliveira

Padre Mário de Oliveira

Mário Pais de Oliveira é Presbítero da Igreja do Porto, desde 5 de Agosto de 1962. No dia 21 de Março de 1973, é preso segunda vez pela Pide, em Caxias e, nesse mesmo dia, o Bispo da Diocese, António Ferreira Gomes, retira-lhe o ofício canónico de pároco de Macieira da Lixa, para o qual havia sido nomeado pelo mesmo Bispo, em Setembro de 1969. Pároco e preso político, era uma situação institucionalmente anómala e incómoda que colidia com a manutenção da Concordata entre o Estado Português de Salazar e o Estado do Vaticano. Obrigado a ter de escolher entre ou sacrificar o Pároco, ou a Concordata, o Bispo escolhe sacrificar o Pároco. Perante esta pura arbitrariedade do Poder, reage como um menino e faz-se jornalista profissional, no vespertino República (carteira n.º 492), também para, desse modo, poder ser Presbítero de graça ("dai de graça o que de graça recebestes", diz Jesus). Hoje, já na realizada condição de Jornalista reformado, ainda edita e dirige o Jornal Fraternizar online. 

Obra publicada: 

  •